Search
Close this search box.

Publicidade

Prefeito de Cabedelo afirma falta de recursos para cuidadores e solicita apoio dos familiares para acompanhar crianças PCD nas escolas

Prefeito relatou aumento na demanda, destacou desafios na retenção de profissionais e aguarda resposta do TCE para solucionar a situação.

Foto: Reprodução/Instagram/@hipster_cabedelense
Compartilhe:

O prefeito de Cabedelo, Vitor Hugo, afirmou que a prefeitura enfrenta desafios financeiros para contratar cuidadores. Ele solicita o apoio dos familiares no acompanhamento das crianças com deficiência até as escolas na cidade da Região Metropolitana de João Pessoa.

A declaração ocorreu durante uma reunião com famílias de estudantes PCDs na última terça-feira (6). No mesmo evento, o prefeito fez comentários que foram considerados capacitistas em relação aos estudantes. As declarações são fornecidas pelo perfil do Instagram “Hipster Cabedelense”, em vídeo. Confira trecho da fala:

Continua Depois da Publicidade

“Eu não posso pagar essas pessoas, eu não tenho dinheiro pra pagar agora por conta da previsão orçamentária. E eu não posso contratar porque tô com insuficiência. Mas eu vou autorizar alguém da família que pode ir com seu filho, acompanhá-lo. Vão, por favor, porque a sala de aula tá lá, o material didático tá lá. Então vão, gente, pelo amor de Deus”.

No entanto, a Lei Brasileira de Inclusão (LBI) exige a inclusão plena de crianças e adolescentes com deficiência nas escolas, garantindo o direito a assistência de cuidadores. Vitor Hugo, no vídeo, sugere que familiares, como pais e irmãos, se revezem para acompanhar os estudantes com deficiência.

O prefeito destaca que o acompanhamento será voluntário, sem remuneração, como medida temporária até a contratação de cuidadores através do concurso público municipal, cujo edital ainda não foi publicado. “Eu quero que vocês se sintam pessoas normais como nós somos. Vocês são normais, seus filhos não são. Eu não posso acreditar que tenha um ser humano no mundo que não compreenda o que vocês passam. Se é difícil cuidar dos meus filhos que são normais, imagine de quem não é. Eles não pediram pra nascer, eles nasceram assim”.

No fim das imagens, o prefeito usa expressões capacitistas para se referir aos alunos com deficiência.

Em entrevista ao Jornal da Paraíba, o prefeito mencionou que ao assumir o cargo há pouco mais de quatro anos, havia 96 crianças com deficiência nas escolas municipais. Naquela época, familiares eram contratados como acompanhantes, proporcionando uma renda extra às famílias.

A estratégia funcionou até que o número de crianças com deficiência aumentou para 260. Diante disso, foi realizado um concurso que resultou na contratação de 260 profissionais da área. Contudo, hoje existem cerca de 500 estudantes PCDs na rede municipal. O prefeito Vitor Hugo afirmou que está tentando convocar candidatos do cadastro reserva, mas enfrenta dificuldades na retenção desses profissionais.

Ele também destacou ter solicitado ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) a contratação de cuidadores e aguarda resposta. Se o retorno não for positivo, pretende buscar alternativas, inclusive considerando um novo processo seletivo. O G1 procurou o TCE para obter uma posição sobre a solicitação, mas não obteve resposta até o momento desta atualização.

Não houve comentários do prefeito sobre as falas capacitistas durante a reunião.

Vitor Hugo enfatizou seu compromisso em integrar as pessoas com deficiência na sociedade. Para isso, anunciou a entrega de um centro de reabilitação este ano e revelou dois projetos em andamento. Um deles busca garantir acesso gratuito a acompanhantes no transporte público e oferecer oportunidades de trabalho para profissionais PCDs em cada uma das 26 secretarias municipais.

Com informações de: G1 Paraíba

Compartilhe:

Publicidade

Relacionadas