Search
Close this search box.

Publicidade

VÍDEO | Ex-ministro da Saúde Marcelo Queiroga participou de reunião com Bolsonaro sobre golpe

A gravação é uma das peças que embasaram a operação da PF contra militares e ex-ministros suspeitos de participarem de uma tentativa de golpe de Estado.

Reunião do ex-presidente Jair Bolsonaro com ministros em julho de 2022 | Imagem: reprodução
Compartilhe:

Em um vídeo apreendido pela Polícia Federal (PF), o ex-ministro da saúde, o paraibano Marcelo Queiroga, e ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) aparecem em uma reunião com outros ministros em 5 de julho de 2022, declarando que era necessário agir antes das eleições para que o Brasil não se tornasse “uma grande guerrilha”. A gravação, que faz parte do inquérito que investiga a organização de milícias digitais, coloca em evidência a postura antidemocrática de Bolsonaro e seu círculo íntimo.

O outro lado

Queiroga alega que não há nada de anormal no vídeo, que não contém nada que Bolsonaro já não tivesse afirmado publicamente.

Continua Depois da Publicidade

“Não há nada nesse vídeo que o presidente Bolsonaro não tenha externado publicamente. Mesmo antes de ser eleito presidente da República ele defendeu o aprimoramento do processo eleitoral. Em outras oportunidades outros políticos, inclusive da esquerda, também defenderam aprimoramento do sistema”, disse o ex-ministro à CBN.

Provas da PF

A gravação é uma das peças que embasaram a operação da PF contra militares e ex-ministros suspeitos de participarem de uma tentativa de golpe de Estado.

A PF encontrou o vídeo no computador de Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro. Cid firmou acordo de delação premiada com a Polícia Federal, já homologado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes.

Segundo a PF, na reunião, o então presidente ordenou a disseminação de informações fraudulentas para tentar reverter a situação na disputa eleitoral.

“Nós sabemos que, se a gente reagir depois das eleições, vai ter um caos no Brasil, vai virar uma grande guerrilha, uma fogueira no Brasil. Agora, alguém tem dúvida que a esquerda, como está indo, vai ganhar as eleições? Não adianta eu ter 80% dos votos. Eles vão ganhar as eleições”, disse.

As supostas fraudes eleitorais alegadas por Bolsonaro ao longo de quatro anos de mandato nunca existiram. A lisura do processo e a confiança no resultado foram reafirmadas por autoridades nacionais e internacionais, diversas vezes.

Em outro ponto da reunião, Bolsonaro propõe que os presentes participassem da redação de um documento que afirmasse ser impossível “definir a lisura das eleições” e incluísse elementos externos, como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

“Nós não podemos, pessoal, deixar chegar as eleições e acontecer o que está pintado, está pintado. Eu parei de falar em voto imp… e eleições há umas três semanas. Vocês estão vendo agora que… eu acho que chegaram à conclusão. A gente vai ter que fazer alguma coisa antes.”

Bolsonaro convoca ministros a agirem nas eleições

A partir de transcrições feitas pela Polícia Federal e incluídas no inquérito das milícias digitais, Bolsonaro afirma que Lula venceria as eleições e que as pesquisas estariam certas, “de acordo com os números que estão dentro dos computadores do TSE”.

Por outro lado, Bolsonaro diz no vídeo que o TSE cometeu um erro ao chamar as Forças Armadas para integrar a Comissão de Transparência das Eleições.

“Eles erraram [ao incluir as Forças Armadas]. Para nós, foi excelente. Eles se esqueceram que sou o chefe supremo das Forças Armadas?”, afirmou.

Bolsonaro diz que TSE cometeu um erro e se beneficiou disso

Em outro trecho da gravação, o ex-presidente cita os ministros Edson Fachin, Luis Roberto Barroso e Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), e afirma que “estão preparando tudo para o Lula ganhar no 1º turno”.

“Alguém acredita em Fachin, Barroso e Alexandre de Moraes? Se acreditar levanta braço. Acredita que são pessoas isentas, que tão preocupadas em fazer justiça, seguir a Constituição?”, disse.

Bolsonaro dispara ataques aos ministros do STF durante reunião ministerial de julho de 2022.

Assista ao vídeo:

Com informações de paraibaja.com.br

Compartilhe:

Publicidade

Relacionadas